Regulamento

REGULAMENTO GERAL DA 9ª COPA RNK – Rallyzeiros no Kart

I – DO CAMPEONATO

Art. 1º – A 9ª Copa RNK de rental kart será disputada em três fases, duas preliminares e uma Superfinal, que acontecerão no ano de 2020, respeitando este regulamento desportivo e seus adendos.

§ 1º – As duas fases (turnos) preliminares serão independentes e classificatórias para a Superfinal. Cada uma será disputada em 6 etapas, que acontecerão no 1º e no 2º semestre de 2020, respectivamente.

§ 2º – Cada uma das duas fases preliminares será realizada em três datas, comportando três rodadas duplas.

§ 3º – A Superfinal será disputada em rodada dupla, numa única data, entre duas e quatro semanas após o encerramento do segundo turno classificatório.

Art. 2º – O campeonato contará com uma classificação geral única, não havendo separação por categoria, exigindo-se peso mínimo de 90 kg. É de responsabilidade exclusiva do piloto, se necessário, providenciar lastro para atingir esse limite, caso não sejam fornecidos pelo kartódromo.

§ único – Ao final de cada prova será feita a pesagem dos pilotos com indumentária completa usada na corrida (macacão, capacete e demais acessórios, incluindo lastros) e, para isso, a Organização disponibilizará balança. O piloto que, por qualquer motivo, não se submeter à pesagem ou não atingir o limite estabelecido, estará sujeito às penalidades previstas no Art. 22 deste Regulamento.

Art. 3º – A Copa RNK adota numeração fixa válida para todo o campeonato. A prioridade na escolha do número de identificação será dada aos pilotos que efetuarem o pagamento antecipado da anuidade e, dentre estes, àqueles que pretendem manter o mesmo número utilizado no campeonato anterior.

§ 1º – A reserva/manutenção de número deverá ser solicitada até 30/11/2019. Após essa data, a atribuição do número ficará a critério da Organização.

§ 2º – A utilização do número 1 será prerrogativa do campeão de 2019, que poderá ou não escolhê-lo. Caso a escolha recaia em outro número, o numeral 1 ficará vago e não poderá ser utilizado por outro piloto.

§ 3º – Em cada rodada, o piloto receberá sua placa de identificação no ato do credenciamento e deverá devolvê-la após a prova. É de total responsabilidade do piloto o zelo pela sua placa. Caso, por qualquer razão, seja necessária a confecção de nova placa, o piloto arcará com o custo de R$ 20 (vinte reais) para a sua produção.

II – DAS PROVAS

Art. 4º – As provas serão realizadas em kartódromos dos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, conforme calendário disponível no site oficial da Copa RNK, que será parte integrante deste Regulamento.

Art. 5º – O traçado será definido pela Comissão Organizadora e administração dos kartódromos durante o briefing que antecede a largada de cada prova, podendo eventualmente ser divulgado antecipadamente no cronograma da etapa.

Art. 6º – O grid de largada de todas as provas, com exceção da segunda etapa da Superfinal, será definido por uma tomada de tempo (qualify) de 5 minutos.

Art. 7º – As provas respeitarão as normas particulares e política de preços de cada kartódromo, os acordos realizados nos briefings, bem como as cláusulas e penalidades previstas neste Regulamento.

Art. 8º – Caso o número de competidores seja maior que o número de karts disponível para locação, os pilotos serão divididos em duas ou mais séries (baterias). Nesse caso, a divisão dos pilotos nas séries (baterias) seguirá dois critérios distintos:

a) Na primeira prova de cada rodada dupla, respeitar-se-á a ordem de classificação no campeonato, de modo que os pilotos mais bem classificados concorrerão na bateria superior (Série A). Havendo necessidade da realização de mais de uma bateria na primeira etapa, será considerada a classificação do(s) campeonato(s) anterior(es), do mais recente para os mais antigos.

b) Na segunda prova de cada rodada dupla, a metade mais bem classificada dos pilotos da série inferior subirá para a série superior e a metade mais mal classificada da série superior descerá para a série inferior, desprezando-se as casas decimais quando o resultado não for exato.

III – DOS KARTS

Art. 9º – Serão utilizados os karts disponibilizados pelos locais onde as corridas acontecerem, ficando os pilotos responsáveis pelos custos da locação e eventuais danos causados nos karts.

Art. 10 – A determinação do kart de cada piloto será feita mediante sorteio, não podendo o competidor escolher qual kart será utilizado. Caso seja necessário trocar de kart, o piloto deverá também providenciar a troca de sua placa de identificação. Em hipótese nenhuma será permitido o ingresso na pista sem a placa de identificação (numeral) do kart.

§ 1º – A troca de kart durante a prova somente será permitida em caso de quebra ou defeito constatado pelos responsáveis do kartódromo.

§ 2º – Será permitida a troca de kart por qualquer motivo, durante o qualify, desde que respeitado o disposto no caput deste artigo. Nesse caso, não será validado o tempo que, eventualmente, o piloto tenha obtido com o kart que antecedeu a troca.

IV – DAS INSCRIÇÕES

Art. 11 – A inscrição para cada rodada será disponibilizada em formulário específico no site da Copa RNK e deverá ser efetivada até a quinta-feira anterior à realização de cada prova. Depois dessa data, a participação estará condicionada à existência de vagas conforme disponibilidade do kartódromo onde se realizará a etapa. Um evento criado pela Copa RNK no Facebook em cada rodada e o grupo da Copa RNK no WhatsApp serão também canais oficiais de comunicação da Copa.

Art. 12 – A inscrição deverá ser confirmada no ato do credenciamento, a ser realizado até 30 minutos antes da etapa correspondente, mediante o pagamento do valor de R$ 70,00 (setenta reais) por rodada, sendo de responsabilidade do piloto o pagamento da taxa de locação do kart, conforme política de preços de cada kartódromo.

§ único – A Organização faculta, aos pilotos que assim desejarem, o pagamento anual único, válido para as sete rodadas do campeonato, de R$ 240,00 (duzentos e quarenta reais) para pagamento até 30/11/19, R$ 280,00 (duzentos e oitenta reais) para pagamento até 31/12/19 ou R$ 320,00 (trezentos e vinte reais) para pagamento até 07/03/20.

V – DAS PONTUAÇÕES

Art. 13 – O vencedor de cada etapa receberá 25 (vinte e cinco) pontos; o segundo colocado receberá 22 (vinte e dois) pontos; o terceiro colocado receberá 20 (vinte) pontos; e, a partir daí, a pontuação decrescerá de um ponto sucessivamente até o 22º colocado, que receberá um ponto.

§único – Caso haja mais de 22 participantes, todos os pilotos classificados a partir do 23º lugar também receberão um ponto.

Art. 14 – Aos pontos obtidos pela classificação nas provas ou baterias, serão acrescidas BONIFICAÇÕES, conforme segue:

a) O piloto que obtiver a pole-position será bonificado com 1 (um) ponto.

b) O piloto que obtiver a volta mais rápida será bonificado com 1 (um) ponto. Caso haja empate neste critério, o bônus será atribuído ao piloto que tiver obtido a volta rápida primeiro.

c) O piloto que mais posições ganhar em relação à sua posição de largada será bonificado com 1 (um) ponto. Caso haja empate neste critério, todos os pilotos empatados receberão o bônus.

d) Nas etapas com mais de uma bateria, a partir da 3ª etapa (2ª rodada) de cada turno, todos os pilotos que competirem nas séries superiores terão bonificação, conforme o seguinte critério: nas etapas com duas séries, os pilotos da série A serão bonificados com 1 (um) ponto; nas etapas com três séries, os pilotos da série A serão bonificados com 2 (dois) pontos e os da série B com 1 (um) ponto; e assim sucessivamente de acordo com o número de séries.

Art. 15 – A pontuação final, exclusivamente nas duas primeiras fases, adotará o critério N-1, isto é, cada piloto descartará sua pior pontuação.

§ único – Para efeito de classificação, o descarte somente será computado após a realização da segunda rodada da respectiva fase.

VI – DA SUPERFINAL

Art. 16 – A Superfinal será disputada em duas etapas, na mesma data e local, entre os 26 (vinte e seis) pilotos mais bem classificados nas duas primeiras fases, assim definidos: os 10 (dez) primeiros colocados na 1ª fase; os 10 (dez) primeiros colocados na 2ª fase; os pilotos que mais pontos obtiveram somando-se as duas primeiras fases, em quantidade tal que se complete o total de vinte e seis vagas.

§ único – Caso algum piloto classificado abdique de sua vaga, esta será automaticamente repassada para o piloto seguinte na classificação, desde que este tenha participado de, pelo menos, metade do total de provas das duas primeiras fases.

Art. 17 – Todos os pilotos que participarem da Superfinal receberão pontos de bonificação equivalentes à sua classificação nas respectivas fases, conforme os mesmos critérios estabelecidos no caput do Art. 13 deste Regulamento.

§ único – As bonificações serão cumulativas, isto é, o piloto que tiver direito a bonificação nas duas fases preliminares terá seus bônus somados para a Superfinal.

Art. 18 – A pontuação a que se referem os artigos 13 e 14 deste Regulamento, nas duas etapas da Superfinal, será dobrada.

Art. 19 – Na segunda etapa da Superfinal não haverá qualify. Será adotado o sistema de grid invertido com inversão de karts em relação à primeira etapa: o P1 troca de kart e posição no grid com o P26, o P2 troca com o P25 e assim por diante.

VII – DAS PENALIZAÇÕES

Art. 20 – O piloto que for advertido pelos comissários de pista, desrespeitar a sinalização (bandeiras) ou queimar a largada será punido com o acréscimo de 10 (dez) segundos em seu tempo de prova.

§ único – O piloto que for punido com bandeira preta (desclassificação) pelos comissários de pista, além de não receber os pontos a que teria direito na prova, será punido com a perda de 5 (cinco) pontos. A mesma penalização será atribuída ao piloto que for desclassificado por conduta antidesportiva após a prova.

Art. 21 – O piloto que cortar caminho ou desrespeitar os limites estabelecidos para o traçado, por qualquer motivo, mesmo que não seja beneficiado com a manobra, será punido com a perda de uma volta.

Art. 22 – O piloto que não se submeter à pesagem no final da prova ou não atingir o limite mínimo de peso conforme Art. 2º deste Regulamento será automaticamente remanejado para a última colocação na prova, além de perder o direito a qualquer bonificação prevista neste Regulamento.

§ 1º – Caso dois ou mais pilotos se enquadrem nessa situação, serão ordenados no final da classificação de acordo com sua posição de chegada.

§ 2º – A penalização prevista no caput deste artigo será substituída pela perda de 5 (cinco) posições na classificação da prova caso a diferença em relação ao peso mínimo seja inferior a 2 (dois) quilogramas, mas não fará jus a qualquer bonificação prevista neste Regulamento.

VIII – DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE

Art. 23 – Em caso de empate nos pontos, em qualquer uma das três fases e isoladamente, o desempate obedecerá aos seguintes critérios, nesta ordem:

a) Número de vitórias;

b) Número de pole-positions;

c) Número de voltas mais rápidas;

d) Número de 2ºs lugares;

e) Número de 3ºs lugares;

f) Maior peso médio nas etapas disputadas.

IX – DO DESAFIO POR EQUIPES

Art. 24 – Paralelamente à disputa individual de pilotos, fica estabelecido também, e somente nas duas primeiras fases, o Desafio por Equipes. As equipes deverão ser formadas por um mínimo de 2 (dois) e um máximo de 3 (três) pilotos.

§ 1º – Não será permitida a inscrição de um mesmo piloto em mais de uma equipe.

§ 2º – Cada equipe terá o direito de indicar, dentre seus pilotos, um representante no Conselho Deliberativo.

Art. 25 – A constituição de cada equipe deverá ser informada no mural do evento no Facebook antes da primeira etapa da qual a equipe participar e será válida para todo o campeonato.

§ 1º – Novas equipes poderão ser inscritas ao longo do campeonato, desde que sua constituição seja informada no mural do evento no Facebook antes da etapa correspondente ao referido ingresso.

§ 2º – A substituição de pilotos será admitida, desde que informada no mural do evento no Facebook, somente antes da primeira etapa de cada turno. Uma equipe inscrita com 2 (dois) pilotos poderá incluir um terceiro piloto a qualquer tempo, no entanto tal inclusão não é retroativa, isto é, pontos por ele obtidos anteriormente não serão atribuídos à equipe.

Art. 26 – Cada equipe fará jus a um número de pontos equivalente à soma dos pontos conquistados por seus dois maiores pontuadores em cada etapa, independentemente do número de pilotos que integram a equipe e do número de participantes em cada prova.

Art. 27 – A pontuação final adotará o critério N-1, isto é, cada equipe descartará sua pior pontuação.

X – DA PREMIAÇÃO

Art. 28 – Em todas as etapas serão premiados com troféus os cinco primeiros classificados.

Art. 29 – Ao término de cada uma das primeiras duas fases, serão premiados com troféus os cinco pilotos mais bem classificados e as três equipes mais bem classificadas.

Art. 30 – Ao final do campeonato, receberá o troféu de campeão da 9ª Copa RNK o piloto que obtiver o maior total somados os pontos das duas baterias da Superfinal e os bônus a que se refere o Art. 17 deste Regulamento. Segundo o mesmo critério, serão premiados também o vice-campeão, o 3º, o 4º e o 5º colocado.

Art. 31 – Ao final do campeonato, serão concedidas ainda as seguintes premiações especiais:

a) Troféu Maneco Combacau, para o piloto que obtiver o maior avanço em relação à sua posição no grid somadas todas as etapas de todas as fases.

b) Troféu Estreante do Ano, para o piloto que mais pontos obtiver dentre aqueles que nunca participaram da Copa RNK em anos anteriores, somadas todas as etapas de todas as fases.

c) Troféu Super100, para o piloto que mais pontos obtiver dentre aqueles com peso igual ou superior a 100 kg, somadas todas as etapas de todas as fases.

d) Troféu Mulher do Ano, para a piloto do sexo feminino que mais pontos obtiver, somadas todas as etapas de todas as fases.

§ único – Para efeito da outorga dos troféus mencionados neste artigo não será válido o critério (N-1).

Art. 32 – Será beneficiado com 100% de isenção da anuidade 2021 o campeão geral da 9ª Copa RNK, e com 50% de desconto na anuidade 2021 os vencedores dos troféus  Maneco Combacau , Estreante do Ano, Super100 e Mulher do Ano.

§ único – Os benefícios concedidos no caput deste artigo são intransferíveis e não cumulativos.

XI – DAS RECLAMAÇÕES

Art. 33 – Todo e qualquer recurso quanto aos resultados das provas deverá ser formalizado pelo interessado até 48 (quarenta e oito) horas após a publicação dos mesmos  no site oficial da Copa RNK.

§ único – A interposição de recursos só será aceita se formulada por escrito, encaminhada por meio eletrônico (e-mail, Facebook ou WhatsApp) a um dos membros do Conselho Deliberativo, que terá o prazo, igualmente, de 48 (quarenta e oito) horas para pronunciar seu parecer.

Art. 34 – Recursos quanto a condutas antidesportivas deverão ser interpostos à Direção de Prova imediatamente após a realização da etapa, não cabendo reclamações posteriores. Não serão aceitas filmagens nem vídeos de qualquer natureza, seja por meio de câmeras on-board, seja através de terceiros.

XII – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 35 – A Organização se reserva o direito de alterar este Regulamento, incluindo novos artigos ou mudando cláusulas, visando ao bom andamento do campeonato, fazendo-o sempre por meio de adendos, que passarão a fazer parte deste documento, e desde que com a aprovação da maioria do Conselho Deliberativo.

Art. 36 – Casos omissos no presente Regulamento, bem como dúvidas quanto à sua interpretação, serão apreciados pelo Conselho Deliberativo da Copa RNK.

Publicado em 25 / 11 / 2019 às 14h53